quarta-feira, 28 de abril de 2010

Amor Lírico


A manhã despertou
Da noite insone
Absorta nos voares
Pássaros cativos
Redemoinhos de sentimentos
Sem paz.

Longínquos ventos
Barcos a deriva
Caminhos salpicados
Pelas lágrimas sentidas
Ensaios de cantigas
Outono cinzento.

Perfumes de frascos vazios
Derramam-se em pedras e corais
Resquícios de um tempo
Margaridas singelas
Em jardins de outrora
Deserto se fez.

Densas nuvens, céu incolor
Palavras soltas
Memórias mortas
Pincelam o livro
Amarelado jogado
Irradiando apenas dor.

Coração solitário
Alma peregrina
Sonhos de menina
Fantasias de mulher
Foi-se a alegria
Ao ir embora o amor.


(autor desconhecido)
Postar um comentário