sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Entrevista com a jornalista Cristina Serra

Eu fiz essa entrevista, via email, com a jornalista Cristina Serra, que será uma das palestrantes do II Seminário de Jornalismo e Mídia Training do Oeste do Pará, nos dias 23 e 24 de novembro em Santarém. A entrevista foi feita para o blog criado pelos academicos do VI semestre de Jornalismo do Iespes, que fará a cobertura do evento. Lembrando que as inscrições estão abertas e podem ser feitas pelos emails joseibanes@gmail.com, semjorpa@gmail.com.


Confira a entrevista: 


No II Seminário de Jornalismo e de Mídia Training do Oeste do Pará você vai falar sobre Ética e Jornalismo – Fronteiras da Cidadania. Como aplicar a ética jornalística no noticiário político tão adverso de Brasília?

Cristina Serra: Antes de qualquer coisa, a ética está dentro de cada um de nós, como pessoas e profissionais. Se você me perguntar sobre o código de ética jornalística, nem saberia te dizer o que consta em todos os artigos. É claro que já o li e o estudei na faculdade, mas digo que não preciso tê-lo de memória porque a ética – que procuro aplicar em tudo na vida e não apenas no trabalho – se baseia em princípios simples: procurar a verdade, sempre; ouvir todos os lados envolvidos, dar voz a todos; ter uma relação transparente com as fontes e com os entrevistados; acima de tudo ter compromisso com o público. A credibilidade é o maior patrimônio de um jornalista e só é possível conquistá-la agindo de forma ética. Isso vale para qualquer lugar ou setor que você cubra. Em Brasília, a dificuldade a mais talvez seja separar, claramente, o joio do trigo; saber – em cada reportagem – quais os interesses em jogo, distingui-los e publicar aquilo que, de fato, é relevante para o público. Sempre que vou fazer uma reportagem, a primeira pergunta que me faço é: qual o interesse do cidadão neste assunto? Tudo o mais vai decorrer dessa resposta.

Nos últimos anos muito se discutiu sobre a obrigatoriedade ou não do diploma de jornalista para exercer a profissão. Qual a sua opinião sobre esse assunto?
Cristina Serra: Acho que todo profissional de jornalismo deve ter um diploma universitário, que pode ser de jornalismo ou outra profissão. Mas tem que ter nível superior. A exigência do diploma foi uma grande conquista, que não pode ser perdida. Qualificou e profissionalizou o exercício do jornalismo, conscientizou as redações. Mas, acho que a contribuição de outros profissionais enriqueceria as redações. Quanto mais plural, mais rico o Jornalismo. Ainda mais hoje em dia, com a tecnologia da informação tão acessível a tanta gente, não vejo muito sentido em restringir. Acho que o caminho é ampliar, mas com organização e regras. Um caminho para os profissionais de outras áreas que quisessem atuar sistematicamente como jornalistas seria, talvez, fazer uma especialização de um ou dois anos para se preparar para as particularidades da profissão e obter o registro.

Como você avalia  a formação do jovem jornalista atualmente? A Universidade/Faculdade tem cumprido o papel na formação dos novos profissionais?
Cristina Serra: Estou distante das universidades. Posso falar apenas pelos estagiários que passam pela TV Globo e por um ou outro contato que faço com estudantes por meio de palestras. Me parece que os estudantes, hoje, estão mais preparados, não sei se porque as faculdades melhoraram ou porque, hoje, eles recebem uma avalanche de informações e porque fazem parte de uma geração super conectada, o que não acontecia na minha época, 30 anos atrás (risos). Outro exemplo interessante são os jovens jornalistas que trabalham no Profissão Repórter, do Caco Barcellos, alguns excelentes! Estamos falando, no entanto, de estudantes de grandes centros e universidades que já tem tradição no ensino de jornalismo. Certamente, deve haver um desnível muito grande entre os cursos Brasil afora.

Você é especializada em política, trabalha com esta editoria desde a década de 1980 e há alguns anos sua sede é Brasília. Como é cobrir a política no Centro Político do país? Quais os episódios/coberturas políticas mais marcantes nesses anos?
Cristina Serra: Realmente, eu adoro política. Desde a faculdade, me interessei e direcionei meu trabalho pra isso. Trabalhei um período no Rio de Janeiro, já cobrindo política local, e vim pra Brasília porque queria me aprofundar no assunto. Cobrir política é como ser testemunha da História o tempo todo, é um privilégio e uma grande responsabilidade. É como andar em campo minado porque sempre há muitos interesses em jogo e é preciso distingui-los para não ser instrumento de nenhum setor, de nenhum lobby, de nenhum partido. É um desafio. Quanto mais trabalho, mais aprendo. Aliás, essa é uma das grandes belezas do jornalismo: ter a humildade de aprender todo dia uma coisa nova. Em política, então, isso é ainda mais verdadeiro. Cada novo grupo que chega ao poder, você começa tudo de novo. Mudam as fontes, a forma de agirem, os códigos do poder, entende? E a gente tem que aprender tudo de novo. Coberturas marcantes? Sempre acho que será a próxima. Gosto de olhar pra frente. Mas, pra não deixar você sem resposta, uma que me marcou muito – talvez porque ainda era uma menina e porque foi o começo de uma grande transformação no Brasil – foi a cobertura das manifestações populares pelas eleições diretas, em 84/85, no Rio. Eu era estagiária do jornal Tribuna da Imprensa e fui destacada para isso. Escrevia matérias de página inteira, uma delícia, eu, saindo da fralda, e escrevendo sobre Tancredo, Ulysses, Brizola, Covas, Lula etc. (risos). O famoso comício da Candelária é inesquecível. Outra cobertura importante pra mim foi a campanha a presidente do Brizola, em 89. Viajei por vários lugares do Brasil cobrindo a campanha dele. Brizola é um grande personagem e era muito divertido também. Nesse caso, eu já estava no Jornal do Brasil. Como ele não foi para o segundo turno, passei a reforçar a equipe de cobertura do Collor e – modéstia a parte – fiz uma das matérias mais importantes daquela cobertura. Escrevi a primeira matéria revelando o personagem PC Farias, tesoureiro da campanha e, naquela altura, já envolvido em falcatruas e investigado pelo Banco Central. A matéria fez algum barulho, mas Collor acabou sendo eleito e depois, deu no que deu. Quando vim para Brasília, uma cobertura muito importante, já na TV, foi o período das reformas do primeiro mandato do governo FHC. Foi um momento de discussão muito rico sobre o Brasil que queríamos construir a partir dali – uma discussão, aliás, inconclusa porque foram feitas algumas reformas, mas outras ficaram pelo caminho. No governo Lula, teve a cobertura da CPI dos Bingos, que redundou no chamado escândalo do Caseiro e na demissão do ministro da Fazenda, Antônio Palocci. E agora, pra ficar num assunto bem atual, destaco a cobertura do julgamento do Mensalão, a cobertura dos sonhos de qualquer jornalista que gosta de política. Estou “pinto no lixo” (risos).

Você foi correspondente em Nova York e fez inúmeras reportagens internacionais, foi à Antártida, onde visitou a base chilena e a base brasileira de pesquisa e conversou com cientistas brasileiros; foi enviada especial pós-terremoto no Haiti. De que forma essas coberturas foram importantes pra sua carreira? Que outra cobertura internacional você destacaria?
Cristina Serra: A cobertura internacional enriquece muito o jornalista, abre os olhos e a cabeça pro mundo. Nesse sentido, os três anos que passei em Nova York foram sensacionais, é uma experiência que vou levar pra vida toda. É muito importante ver como a imprensa trabalha num país que já tem suas instituições democráticas consolidadas. Lá, a imprensa é muito respeitada e você percebe que a sociedade como um todo valoriza o trabalho do jornalista, como um elemento essencial para o funcionamento da democracia. A sociedade americana valoriza e cobra transparência das autoridades e o público vê o jornalista como esse canal entre a sociedade e o poder, as autoridades. Acho que esse foi o maior aprendizado que eu trouxe de lá. Tive outras experiências internacionais, como a cobertura das discussões, na ONU, sobre a guerra no Iraque; a reeleição do Bush, em 2004; a Antártica, o Haiti, a prisão da fraudadora Jorgina de Freitas, na Costa Rica, em 97/98, várias viagens internacionais do FHC e do Lula; fiz uma série em Cuba para o Fantástico, enfim, já fui a quase todos os continentes a trabalho. Isso é importante, um jornalista precisa botar o pé na estrada. Então, adoro as coberturas internacionais, mas meu maior interesse como jornalista, minha grande paixão é o Brasil. Temos muito que fazer aqui. O Brasil é uma nação em construção e acredito que o jornalismo tem sua contribuição a dar.

Com toda essa experiência a pergunta que não quer calar é: Vem um livro por aí? Os estudantes de jornalismo agradecem!
Cristina Serra: Tenho várias idéias para um livro. Mas, cadê tempo???? A vida de repórter absorve demais. Mal consigo me dividir entre o trabalho e a família. Um livro está no horizonte, sim, mas acho que vou ter que esperar a aposentadoria (risos).
Postar um comentário