terça-feira, 14 de abril de 2009

Homenagem à Professora Gersonita

Quem foi aluno dela já deve, pelo menos uma vez, ter declamado este poema em sala de aula. Uns com performances memoráveis, como minha amiga Bárbara Carneiro sempre costuma lembrar em nossos encontros rotineiros.
Pensando agora, sempre que nós reuníamos nossa turma costumávamos lembrar da professora Gersonita e dos seus poemas.


As pombas

Raimundo Correia

Vai-se a primeira pomba despertada...
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada...

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais...
Postar um comentário