segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Entrevista Walter Salles

O aclamado cineasta brasileiro Walter Salles de ofícios pessoais, socialmente consciente de que as histórias são emocionais, sem ser manipuladora e simples sem ser simplista. Entre eles: O corajoso ”Terra Estrangeira”, o terreno fábula ”Abril Despedaçado” e ”Linha de Passe”, Sandra Corveloni, que ganhou o prêmio de melhor atriz em Cannes. Central do Brasil, com dezenas de prêmios recolhidos e recebeu indicações ao Oscar de melhor filme estrangeiro e melhor atriz: (Fernanda Montenegro), ”Diários de Motocicleta”, a história de uma viagem intercontinental formada por Ernesto Guevara, foi um sucesso internacional e vencedor do prêmio principal. Com 54 anos de idade, foi duas vezes homenageado no BAFTA, irá receber o Diretor Fundador do Prêmio na quinta-feira (12) no San Francisco International Film Festival.

Q: Seus filmes tendem a ser definido em determinadas circunstâncias sócio-políticas.
W:
O que verdadeiramente me interessa são as histórias em que os percursos dos personagens principais de alguma forma espelho das transformações em jogo em uma determinada cultura ou país. Isto é verdade para o movimento neo-realista do cinema italiano, a Nouvelle Vague francesa, o Cinema Novo brasileiro, ou os independentes de Nova York dos anos 70. “Taxi Driver” é a personificação deste. Tolstoi nos ensinou que quando você fala de algo que é específico e único para a cultura, você pode estar abrindo a janela para algo que seja verdadeiramente universal.
A maioria dos filmes que fiz são sobre personagens que tentam reinventar-se, quer porque não tem outra opção, como em “Central do Brasil”, ou, por optar, como em “Diários de Motocicleta”. Esta é a questão temática você pode encontrar na maioria dos filmes que eu já dirigi: Personagens que passam por uma busca de identidade, a maior parte do tempo em um país em mudanças similares.

Q: Você refez faixas de Guevara para fazer “Diários de Motocicleta”. Queria que levassem ao seu interesse na adaptação de Jack Kerouac em “On the Road”?
W:
Eu fui apaixonado por “On the Road”, uma vez eu li pela primeira vez, em meu 20 segundos adiantado. Voltei a ele antes de filmar “Diários de Motocicleta”. A viagem do jovem Ernesto acabou gerando uma revolução política, “On the Road” é uma expressão de um movimento que iniciou uma revolução comportamental. Quando fui convidado por Francis Ford Coppola e Roman Coppola para dirigir “On the Road”, eu pensei que a única maneira de fazer justiça ao que foi investigar a década em que essa geração veio a existir, bem como o impacto que teve sobre a cultura. Assim, com uma pequena equipe de três, uma câmera Super-8 antigo e um mini-DV, que refez a rota em que os personagens de ”On The Road” assumem (e entrevistou artistas proeminentes da época e atuais influenciado por Kerouac).
Então, o que eu estou terminando é um documentário em busca de um possível filme baseado em “On the Road”. Que eu estarei mostrando em São Francisco, é uma edição muito impressionista de 60 minutos, um trabalho em andamento de um documentário inacabado de 120 minutos. Só vai realmente ganhar vida quando sabemos se vamos ser capazes de fazer a narrativa cinematográfica. Se a resposta for positiva, então a última imagem do documentário deverá ser o primeiro aplauso da narrativa cinematográfica: “On the Road”, Cena 1.
Postar um comentário