terça-feira, 18 de outubro de 2011

'Meus cílios sempre estarão comigo', diz ator de 'Lost' após retorno à TV
Ao G1, Nestor Carbonell brinca que piadas com seus olhos nunca acabarã. 'Ringer' também traz volta de Sarah Michelle Gellar a televisão após 8 anos.

Gustavo Miller
Do G1, em São Paulo

Os cílios continuam os mesmos, mas só os cílios. Após fazer sucesso no papel de Richard Alpert, o misterioso habitante da ilha de “Lost” que nunca envelhecia, Nestor Carbonell está de volta à TV como um agente do FBI em “Ringer”, thriller psicológico que também marca o retorno de Sarah Michelle Gellar aos seriados oito anos depois do fim de “Buffy, a caça-vampiro”.
O programa, que estreou no Brasil nesta segunda-feira (17), no canal fechado Studio Universal, é situado em Nova York e traz a atriz no papel de Bridget e Siobhan, duas irmãs gêmeas que não se veem há seis anos. A primeira é uma ex-stripper e alcoólatra, que ao presenciar um assassinato foge da máfia. Já Carbonell tem o papel de Victor Machado, o policial responsável por mantê-la segura até o julgamento.

O plano muda quando Bridget decide rever a irmã, hoje uma milionária de Manhattan e que some misteriosamente durante um passeio de barco. Após o acidente, ela decide assumir a identidade de Siobhan, que no fundo tem um passado tão misterioso quanto o dela.
“A série tem um tom de mistério com noir que me atraiu muito. ‘Ringer’ tem ótimos ganchos no final de cada episódio, os roteiristas são ótimos em manter a história interessante ao final de cada um deles”, adianta o ator em entrevista por vídeo-conferência ao G1. “Gosto da combinação híbrida de mistério com alguma coisa. ‘Lost’ era meio ficção científica, meio drama, meio crime..”, enumera.

Bem-humorado, Carbonell revela que o primeiro episódio da série foi filmado de fato em Nova York, mas o resto da temporada está sendo gravado em Los Angeles. “Temos a mesma pessoa que trabalha em ‘CSI: NY'. Ela é especialista em fazer de L.A. uma New York, ela sabe transformar cada canto de lá em cenário”, "deda" o ator, enquanto lamenta o fato de não poder rodar o programa em sua cidade natal.

“Minha família é toda de Nova York, mas a minha vida é em Los Angeles, meus filhos estudam aqui, minha esposa tem vários amigos também... Mas quando morei no Havaí foi ‘ uau’! Ali eu tive dificuldade de ir embora”, brinca, citando a localidade em que “Lost” era gravado.

O seriado que acabou no ano passado surge naturalmente na conversa e Carbonell não mostra desconforto em falar sobre ele. Richard, apesar de ter ficado no ar durante a metade do programa, foi um dos personagens mais marcantes da atração de J.J. Abrams. E também o ajudou a ser visto como um ator dramático – antes, ele era conhecido somente pelas sitcoms “Suddenly Susan” e “The tick”, programa de super-heróis de curta duração em que fazia o divertido personagem Batmanuel.
“Sinto falta de fazer comédia, mas essa é a coisa maluca desse negócio [atuação]: a maldição ou a benção de não saber o que lhe espera em cada esquina. A mudança é boa criativamente, pois nunca me sinto entediado, mas pelo lado familiar é uma pressão, pois nunca sei o que virá pela frente e tenho de pagar a escola das crianças, saber onde vou viver...”, afirma. “Mas, qual é? É uma vida boa ser ator e fazer o que se ama. Cada trabalho que eu tenho é aceito como uma benção”, completa, antes de falar sobre o seriado que o tornou popular no mundo inteiro.

“Do meu ponto de vista pessoal, ‘Lost’ foi um show que elevou o nível da TV americana e sei que mundialmente isso foi sentido também. Ele não falava apenas com o telespectador, ele o desafiava. Tinha mistério combinado com mitologia, religião, ética, redenção, perguntas filosóficas... Ninguém fez isso. O legado que ele deixou foi criar barreiras na forma como vemos TV, na maneira como as histórias eram contadas”, continua.

O ator diz ter se tornado amigo de vários atores de “Lost” e, inclusive, ter acompanhado a gravação das novas séries estreladas por alguns deles – caso de “Scandal”, com Henry Ian Cusick (o Desmond). “Troco mensagens de texto com Michael Emerson [Ben] e Jorge Garcia [Hurley] o tempo todo. Todos nós ficamos muito próximos, aquele set tinham seres-humanos incríveis de diferentes nacionalidades e histórias de vida”, revela.

Algo de Richard que Carbonnel nunca irá perder, e admite, são as brincadeiras em relação aos seus cílios marcantes. Os fãs sempre brincaram que o personagem usava delineador na série e o próprio ator fez piada de si mesmo ao aparecer passando lápis nos olhos durante um painel de "Lost" na Comic-Con.

“Meus cílios sempre estarão e estiveram comigo a vida inteira, antes mesmo do Richard. Ele só ajudou a deixá-los mais populares”, ri.
Postar um comentário